terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

Sal light

O sal contém sódio, que é o componente mais abundante 
dos fluídos extracelulares.
Além de auxiliar no transporte de nutrientes, sua ingestão é fundamental, em quantidades mínimas, para manter a pressão sanguínea
o volume de sangue no corpo.



O problema é que a população está tão acostumada com seu sabor, que vem consumindo muito além da recomendação 
(6g de cloreto de sódio, que equivalem a 2,4 g de sódio).
E essa quantidade excessiva está associada ao aumento da aumento da pressão arterial e, consequentemente, 
problemas cardíacos, vasculares e renais.

Vale ressaltar que os rótulos dos alimentos trazem a quantidade de sódio, não de cloreto de sódio!
Prestem atenção!!!!



O sódio está presente na maioria dos alimentos e conseguiríamos suprir nossa necessidade diária apenas com alimentos como carnes, peixes e ovos.
Só que nossa dieta é pobre em iodo, que é de extrema importância para a saúde, e segundo a ANVISA, independente do tipo, todo sal deve ser iodado:
“Somente será considerado próprio para consumo humano o sal que contiver teor igual ou superior a 20 (vinte) miligramas até o limite máximo de 60 (sessenta) miligramas de iodo 
por quilograma de produto”.


Então surge o sal light (hipossódico), como uma alternativa para reduzir o consumo de sódio sem prejudicar a ingestão de iodo.
Ainda de acordo com a ANVISA, o sal hipossódico é “o produto elaborado a partir da mistura de cloreto de sódio com outros sais, de modo que a mistura final mantenha poder salgante semelhante ao do sal de mesa fornecendo, no máximo, 50% do teor de sódio na mesma quantidade de cloreto de sódio”

Este produto possui duas classificações:
"sal com reduzido teor de sódio"
que fornece 50%, no máximo, do teor de sódio contido 
na  mesma quantidade de cloreto de sódio e 
"sal para dieta com restrição de sódio"
que fornece 20%, no máximo, do teor de sódio contido na 
mesma quantidade de cloreto de sódio.
Ambos devem possuir, obrigatoriamente, cloreto de sódio
cloreto de potássio e iodo, todos adequados à legislação nacional vigente.


Importante: o uso do sal light está indicado 
para pacientes com função renal normal
visto que pacientes com insuficiência renal correm o risco de desenvolver hiperpotassemia, que aumenta os riscos de problemas cardíacos.

Outra desvantagem deste sal é que quando usado em grandes quantidades confere sabor amargo ao alimento
 (são dados da literatura, porque eu nunca experimentei!).
Mas este inconveniente pode ser mascarado com a combinação de 
ervas aromáticas e especiarias.

2 comentários:

  1. Gostei do post, parabéns! Eu estou usando o sal light já tem uma semana e não senti diferença no sabor, pra mim é igual!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Alessandra!
    Mas o sabor amargo é percebido apenas quando se usa grandes quantidades.

    ResponderExcluir